Blog
05 OUT 2021
Mês das Crianças no Della

Quiosque literário vira atração no mês das crianças no Shopping Della

Ação especial segue até o fim de outubro com edições de livros especiais e contação de histórias

 

Outubro chegou e para comemorar o mês destinado às crianças o Shopping Della lança a partir desta quarta-feira, dia 6, um quiosque literário voltado especialmente para o público infantil. O espaço ficará no térreo do empreendimento. Além de diversas opções de compra de livros diferenciados e especiais, todos os sábados do mês serão marcados por contações de histórias, conduzidas pelo ator e mediador literário Rodrigo Calistro, da Livraria Ponto e Vírgula. As sessões de muita história e magia, acontecerão no primeiro andar do empreendimento, sempre às 11h e às 14h e terão 45min de duração. Já o quiosque funcionária todos os dias até o dia 30/10 nos mesmos horários do shopping.

A gerente de marketing do Della, Greici Lima, explica que o conceito da ação é estimular a imaginação das crianças em um ambiente lúdico que valoriza a leitura. “Ler é apaixonante e para criar uma nova geração de leitores é preciso cultivar o hábito desde cedo. Nosso intuito é mostrar para as crianças as infinitas possibilidades que são criadas quando se abre um livro com diferentes texturas, sons e experiências. As edições são ainda uma ótima opção de presente para a data”, expressa.

O contador de histórias e proprietário da Livraria Ponto e Vírgula, Rodrigo Calistro conta que a qualidade agregada nos exemplares se dá em parceria com editoras como Estrela Cultural e Catapulta. “Além de livros especiais e diferenciados e com recursos que ajudam a despertar a imaginação dos pequenos, as histórias serão contadas de forma interativa e com muita mágica”, afirma.

28 SET 2021
Reabertura Kopenhagen Shopping Della

Uma Doce Novidade no Shopping Della

Koplovers, temos uma doce novidade: a partir desta terça, dia 28/09 a  Kopenhagen estará de volta.

Com uma nova equipe e gestão, a Kopenhagen reabre as portas no Shopping Della. A franquia é a única entre Florianópolis e Porto Alegre. O Della ainda recebe na segunda quinzena de outubro a Biozenthi, marca de cosméticos biotecnológicos. Na foto, a nova franqueada da Kopenhagen, Iara Vianna, no evento de inauguração da loja.

Você também amou essa novidade? Então vem conferir e se deliciar!

24 SET 2021
Resenha – Vamos comprar um poeta, de Afonso Cruz

Imagine viver em uma sociedade tomada pelo materialismo… essa é a realidade trazida por Afonso Cruz em ‘Vamos comprar um poeta’. Aqui, é comum as pessoas conviverem com números o tempo todo. Mas todo mesmo. Frases como “Trajava um colete de fazenda, setenta e cinco por cento lã”; “A carne seria servida de seguida, dentro de trinta segundos”, são exemplos de como o livro acontece.

Mas, em meio a tantos números, a personagem principal decide pedir ao pai para comprar um poeta. Isso porque no universo criado por Cruz, poetas, pintores e outros indivíduos que trabalhavam com as áreas de humanas eram tratados como animais domésticos. Em vez de um cachorro, por que não ter um ator em casa? O pai aceitou, e logo foram buscar um poeta para morar em um armário embaixo da escada.

 

TRECHO

“O pai cumprimentou o vendedor com a cortesia destas ocasiões, há sempre uma grande solenidade, sacralidade, no ato de iniciar um possível negócio:

– Que os números lhe sejam favoráveis, disse ele.

– Crescimento e prosperidade, respondeu o vendedor.”

 

Em um primeiro momento, foi difícil para a família entender o poeta. Era uma família que se endividava, e por isso o pai seguia nervoso, enquanto a mãe estava sobrecarregada com as tarefas do lar. Mas a filha, personagem central da história, mesmo confusa, se propõe a entender melhor a poesia. Aos poucos, coisas que ela antes não entendia – como metáforas, por exemplo -, passam a tocar seu coração de uma forma diferente.

‘Vamos comprar um poeta’ é quase uma fábula. Particularmente, eu demorei algumas páginas para começar a entender a história. Em minha defesa, eu não gosto de ler sinopses ou saber sobre o que o livro fala antes da leitura. Gosto da surpresa. Em defesa do livro: Afonso Cruz trabalha a crítica ao materialismo com delicadeza, e envolve o leitor até que não seja mais possível esquecer a história.

Esse é um livro curto, de poucas páginas, possível de ser lido em uma sentada. Mesmo assim, tem a profundidade exata exigida por críticas que nos mostram a importância do afeto entre as pessoas.

 

Sobre o livro

‘Vamos comprar um poeta’ é o terceiro livro de Afonso Cruz, e foi publicado em português pela editora Dublinense. Tem‎ 96 páginas.

 

Sobre o Autor

Afonso Cruz nasceu em 1971, na Figueira da Foz, em Portugal. Além de escritor, é também ilustrador, músico e cineasta. Publicou mais de trinta livros, entre romances, teatro, não ficção, ensaio, álbuns ilustrados, novelas juvenis e ainda uma enciclopédia inventada, que conta com sete volumes. Colabora regularmente para jornais e revistas, e recebeu vários prêmios pelos seus livros, cujos direitos estão vendidos para vinte idiomas.

 

Lembrando que quem é leitor daqui tem 15% de desconto na Livraria Ponto e Vírgula, do Shopping Della, nos livros citados ou em livros que já têm resenha na coluna (rola essa página pra baixo e acompanha!). É só falar com a Grazi ou com o Rodrigo e avisar que leu sobre o livro aqui, na Entre Lidas e Vindas!

23 SET 2021
Primavera-verão 2022: conheça as principais tendências do momento

Estação mais florida do ano já conta com opções diferenciadas em operações do Shopping Della

 

A primavera chegou e com ela os looks que expressam o sentimento de alegria carregado pela estação mais florida do ano. Algumas tendências antigas retornam ao gosto do público e novas escolhas acabam caindo nas graças dos consumidores. No Shopping Della, as lojas já estão preparadas para atender os clientes que desejam renovar o closet para a primavera.

A personal style, consultora de estilo e proprietária da loja Amis Mult Brand (localizada no Shopping Della), Raquelly Pereira explica que o apelo da moda no momento é a volta ao normal, com o conforto em primeiro lugar. “Vamos perceber a presença de muita cor, brilho, peças amplas, mangas bufantes e calças mais soltas, mesclando elegância com extravagância”, explica a profissional.

A febre do hand made (produtos feitos à mão), como crochês, top croppeds e estampas com cores vibrantes, indica. “As principais tendências dessa primavera verão de 2021/2022 se relacionam diretamente com a busca pela normalidade após o período de pandemia”, afirma.

 

20 SET 2021
Gostou de O Conto da Aia? Veja 8 dicas de livros para quem gosta de distopias

Há alguns dias eu falei aqui sobre o livro Vox, de Christina Dalcher, e eu percebi pela reação coletiva que vocês gostam de uma distopia… por isso, decidi trazer uma lista de 8 livros que se passam em mundos distópicos. E se você não entende muito bem o que isso quer dizer, não tem problema. Eu explico de uma forma rápida e fácil: no mundo literário, uma distopia nada mais é do que uma história que se passa em um mundo ou estado imaginário de extrema opressão, desespero ou privação. Basicamente, é o contrário de uma utopia.

Já tem bastante tempo que os autores trabalham neste tipo de história… exemplos disso são os conhecidíssimos ‘Laranja Mecânica’, de Anthony Burgess, ‘Jogos Vorazes’, de Suzanne Collins, e mais recente ‘O Conto da Aia’, de Margaret Atwood. Coincidência ou não, todos adaptados para filmes e séries. Então, vamos lá:

 

1 - 1984, de George Orwell

Publicado em 1949, o texto de Orwell nasceu destinado à polêmica. Traduzido em mais de sessenta países, virou minissérie, filmes, quadrinhos, mangás e até uma ópera. Ganhou holofotes em 1999, quando uma produtora holandesa batizou seu reality show de Big Brother. 1984 foi responsável pela popularização de muitos termos e conceitos, como Grande Irmão, duplopensar, novidioma, buraco da memória e 2 2 5.

O trabalho de Winston, o herói de 1984, é reescrever artigos de jornais do passado, de modo que o registro histórico sempre apoie a ideologia do Partido. Grande parte do Ministério também destrói os documentos que não foram revisados, dessa forma não há como provar que o governo esteja mentindo. Winston é um trabalhador diligente e habilidoso, mas odeia secretamente o Partido e sonha com a rebelião contra o Grande Irmão.

 

 

2 - Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley

Um clássico moderno, o romance distópico de Aldous Huxley é incontornável para quem procura um dos exemplos mais marcantes da tematização de estados autoritários, ao lado de 1984, de George Orwell.

Ele mostra uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance Huxley.

 

3 - Vox, de Christina Dalcher

O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.

Esse é só o começo...

Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.

...mas não é o fim.

 

4 - A Seleção, de Kiera Cass

Muitas garotas sonham em ser princesas, mas este não é o caso de America Singer. Ela topa se inscrever na Seleção só para agradar a mãe, certa de que não será sorteada para participar da competição em que o príncipe escolherá sua futura esposa. Mas é claro que depois disso sua vida nunca mais será a mesma...

Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.

America Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.

 

5 - A Rainha Vermelha, de Victoria Aveyard

O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora.

Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso… Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.

 

6 - Eu, Robô, de Isaac Asimov

m dos maiores clássicos da literatura de ficção científica, Eu, Robô, escrito pelo Bom Doutor, Isaac Asimov foi publicado originalmente em 1950. O livro serviu como base para o roteiro do filme homônimo, no qual Will Smith interpreta o protagonista, o detetive Del Spooner. Porém, a obra é bastante diferente da história apresentada nas telonas. Eu, Robô é um conjunto de nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo. É neste livro que são apresentadas as célebres Três Leis da Robótica: os princípios que regem o comportamento dos robôs e que mudaram definitivamente a percepção que se tem sobre eles na própria ciência.

Eu, Robô inicia-se com uma entrevista com a Dra. Susan Calvin, uma psicóloga roboticista da U.S Robots & Mechanical. Ela é o fio condutor da obra, responsável por contar os relatos de seu trabalho e também da evolução dos autômatos. Algumas histórias são mais leves e emocionantes como Robbie, o robô baba, outras, como Razão, levam o leitor a refletir sobre religião e até sobre sua condição humana. A edição traz um posfácio escrito pelo próprio autor sobre sua história de amor com os robôs, tão comuns em sua obra.

 

7 - Fahrenheit 451, de Ray Bradbury

Guy Montag é um bombeiro. Sua profissão é atear fogo nos livros. Em um mundo onde as pessoas vivem em função das telas e a literatura está ameaçada de extinção, os livros são objetos proibidos, e seus portadores são considerados criminosos. Montag nunca questionou seu trabalho; vive uma vida comum, cumpre o expediente e retorna ao final do dia para sua esposa e para a rotina do lar. Até que conhece Clarisse, uma jovem de comportamento suspeito, cheia de imaginação e boas histórias. Quando sua esposa entra em colapso mental e Clarisse desaparece, a vida de Montag não poderá mais ser a mesma.

Um clássico da ficção científica e da literatura distópica, Fahrenheit 451 foi escrito originalmente como um conto: "O bombeiro", contido no volume Prazer em Queimar: histórias de Fahrenheit 451. Incentivado pelo seu editor, transformou a ideia inicial em um romance, que se tornou um dos livros mais influentes de sua geração – e também um dos mais censurados e banidos de todos os tempos. Foi adaptado para o cinema duas vezes, a primeira pelas mãos do lendário cineasta francês François Truffaut, e depois para diversos formatos.

 

8 - Kindred, de Octavia Butler

Em seu vigésimo sexto aniversário, Dana e seu marido estão de mudança para um novo apartamento. Em meio a pilhas de livros e caixas abertas, ela começa a se sentir tonta e cai de joelhos, nauseada. Então, o mundo se despedaça.

Dana repentinamente se encontra à beira de uma floresta, próxima a um rio. Uma criança está se afogando e ela corre para salvá-la. Mas, assim que arrasta o menino para fora da água, vê-se diante do cano de uma antiga espingarda. Em um piscar de olhos, ela está de volta a seu novo apartamento, completamente encharcada. É a experiência mais aterrorizante de sua vida... até acontecer de novo. E de novo.

Quanto mais tempo passa no século XIX, numa Maryland pré-Guerra Civil – um lugar perigoso para uma mulher negra –, mais consciente Dana fica de que sua vida pode acabar antes mesmo de ter começado.

 

 

Lembrando que quem é leitor daqui tem 15% de desconto na Livraria Ponto e Vírgula, do Shopping Della, nos livros citados ou em livros que já têm resenha na coluna (rola essa página pra baixo e acompanha!). É só falar com a Grazi ou com o Rodrigo e avisar que leu sobre o livro aqui, na Entre Lidas e Vindas!

E a gente segue conversando pelo e-mail entrelidasevindas@engeplus.com.br ou pelo perfil @entrelidasevindas, no Instagram. O que você acha sobre o assunto? Te espero lá.