Blog
20 ABR 2021
Entre Lidas e Vindas - Resenha do dia: O Clube do Livro dos Homens

Com o projeto Entre Lidas e Vindas, a fim de incentivar a leitura no nosso cotidiano, na resenha especial do dia de hoje da jornalista Amanda Ludwig, teremos um dos títulos da escritora Lyssa Kay Adams, com o exemplar: O Clube do Livro dos Homens.

"Você gosta de livro água com açúcar, no melhor estilo de comédia romântica? Então já está indicado: você vai gostar de Clube do Livro dos Homens, de Lyssa Kay Adams. Logo no primeiro capítulo conhecemos a crise que vai permear toda a história: Gavin está bêbado, em um quarto de hotel, após ter saído de casa por conta de uma briga com a esposa.

Ele é "resgatado" de lá por seus colegas do time de beisebol, que prometem: vão ajudá-lo a reconquistar a esposa, Thea. Pra isso, Gavin participará do Clube do Livro dos Homens. Neste clube, vários amigos se juntam em leitura de romances que os ajudam a entender a perspectiva de uma mulher dentro de um relacionamento. O melhor detalhe: todos eles conseguiram dar a volta por cima e superar as crises do casamento por conta do clube.

Particularmente, achei muito bacana a premissa trabalhada no livro, de que um clube de livro composto por atletas de beisebol não precisa ser uma piada pronta. Eles realmente leem os livros com o objetivo de melhorar como pessoa, e como forma de entregar um desempenho livre de preconceitos ao casamento.

– Não precisa seguir o passo a passo – respondeu Del. – A questão é adequar as lições ao seu próprio casamento. Além do mais, esse livro é da Regência, então...

– Regência? Que droga é essa?

– Quer dizer que se passa na Inglaterra do século XVIII ou do começo do século XIX.

– Ah, que ótimo. Parece bem atual.

– Mas é – observou Malcolm. – As autoras dos romances usam a sociedade patriarcal da antiga aristocracia britânica para refletir sobre as limitações impostas pelo gênero que as mulheres de hoje sofrem, tanto na esfera profissional quanto na pessoal. É uma leitura bem feminista.

Mas esse também não é um livro sobre o feminismo, não. O trecho acima é um dos poucos que tratam do assunto, e eu resolvi colocar ele por aqui só para você entender um pouco do que eu estava falando.

Ao mesmo tempo em que Gavin participa da leitura do romance para reconquistar a esposa, Thea está lidando com as duas filhas gêmeas em casa e tentando retomar a vida que deixou de lado durante o casamento. Ela passa a mostrar seu lado mais 'impulsivo' ao derrubar uma parede ou se inscrever de novo na faculdade, por exemplo. Os dois casaram jovens, logo após Thea ter engravidado, e apesar de nenhum deles ter considerado isso um erro, viram o casamento ser engolido pela rotina.

A partir daí, os dois recomeçam do início: eles passam a se conhecer melhor e lidar melhor um com o outro e com sua relação. Também achei muito bacana a forma com que eles lidam com as crianças, duas meninas, mesmo estando em crise no casamento. Elas chegam a perceber que algo está errado, mas o casal tenta envolvê-las o mínimo possível em toda a confusão. E é isso: o que acontece no clube do livro, fica no clube do livro."

Curtiu a resenha? Então corre aqui na Livraria Ponto e Vírgula, localizada no 1º andar do Shopping Della. Fala com o Rodrigo ou com a Grazi, ou chama por eles no WhatsApp de número (48) 9 9650-0947.